quinta-feira, 28 de julho de 2011

Ajude a acabar com o sofrimento dos tigres da ilha de Sumatrá


As imagens foram registradas neste mês de julho. O tigre morreu na região de Riau, na Indonésia, depois de passar sete dias preso em uma armadilha para animais. Ao descobri-lo, os fiscais florestais lançaram dardos tranqüilizantes para removê-lo. Mas, devido aos ferimentos, o animal não sobreviveu.

A APP já foi acusada muitas vezes de devastar a floresta tropical para produzir embalagens descartáveis de papelão. Entre seus clientes, estão fabricantes de brinquedos como a Hasbro, Disney e Mattel.

Este tigre de Sumatra, de aproximadamente um ano e meio de vida, era um dos 400 exemplares ainda vivos em área selvagem. A destruição de seu habitat natural está forçando a espécie a um contato mais próximo com os seres humanos. Cada ano, na região de Riau, 160 mil hectares de florestas naturais são destruídas pela APP e pela indústria de óleo de palma. É por isso que acidentes como este podem se tornar cada vez mais comuns.

Esta evidência pode colocar pressão a um reposicionamento da PEFC (do inglês, Programa para a Aprovação da Certificação Florestal). Este órgão é responsável por certificar as produções “sustentáveis” de papel em todo o mundo, mas está sendo criticada por suas ligações com a APP. Os produtos com origem na área onde morreu o tigre de Sumatra poderiam receber o selo de aprovação da PEFC.

Assim como o Ken, você pode fazer a diferença e colaborar com esta campanha. Envie emails para os executivos da Mattel exigindo que eles deixem de comprar embalagens de empresas que desmatam as florestas tropicais da Indonésia. Para mais informações, clique aqui.


A devastação das florestas tropicais da Indonésia pela APP (Ásia Pulp and Paper) para a produção de embalagens descartáveis colocou fim ao relacionamento de Barbie e Ken, um dos casais mais emblemáticos do mundo dos brinquedos, e está levando à extinção espécies como o tigre de Sumatra. Flagramos a agonia de um tigre de Sumatra em uma área de concessão da APP.

3 comentários:

"Comente"